Apoie o Blog!

segunda-feira, 14 de junho de 2021

Consciousness in both hands from the study of Luk Dim Bun Gwan PART 1

Existe um nível de consciência que ganhamos a partir do uso do Ving Tsun Gwan [詠春棍], que passei a estar mais atento após uma conversa com meu Si Fu Julio Camacho. Me refiro a nossa capacidade de finalmente, estarmos mentalmente presentes nas duas mãos, simultaneamente.
Existe um ideograma que é o Sam[心] que pensamos imediatamente em traduzir como “Coração”, mas que quando consideramos o mesmo ideograma como “Consciência” , podemos entender que a mesma percorre pontos específicos do corpo de acordo com a nossa necessidade. 
Quando comecei no Ving Tsun, tive muita dificuldade em elaborar o que era mais importante a cada momento. A partir de minha sofrida primeira experiência com o Siu Nim Tau, comecei a aprender sem perceber, a importância de em meio a um conjunto de movimentos identificar o mais importante. 
Acontece que em um Sistema de variação como o Sistema Ving Tsun. Diferentes naturezas são apresentadas, e somos desafiados a percorrer um determinado Domínio[Ling Wik], com uma natureza muitas vezes diferente da nossa. Com isso, tendemos a nos prender a natureza que mais nos convém, e forçamos ela sobre a realidade sem nos ajustarmos ao que a situação está pedindo. 

There is a level of awareness that we gained from using Ving Tsun Gwan [詠春棍], which I became more aware of after a conversation with my Si Fu Julio Camacho. I'm referring to our ability to finally be mentally present on both hands, simultaneously.
There is an ideogram which is Sam[心] that we immediately think of translating as “Heart”, but when we consider the same ideogram as “Consciousness”, we can understand that it travels through specific points of the body according to our need.
When I started in Ving Tsun, I had a hard time working out what was most important at each moment. From my painful first experience with Siu Nim Tau, I began to learn without realizing the importance of, in the midst of a set of movements, identifying the most important.
It turns out that in a variation system like the Ving Tsun System. Different natures are presented, and we are challenged to traverse a certain Domain [Ling Wik], with a nature many times different from ours. In doing so, we tend to lock in the nature that suits us best, and force it on reality without adjusting to what the situation is asking for.


Durante muito tempo de minha jornada eu procurava resolver os problemas da mesma maneira. Eu não olhava para a situação, eu fazia o que achava que deveria. Então, mesmo quando ganhava, eu perdia. 
Isso se manifestava na parte técnica... Eu seguia usando “uma mão de cada vez”.  E isso me impedia de ver que eu não entendia as mãos movendo juntas... Era uma fazendo uma coisa e ao final a outra começava. Isso fez com que no Domínio Baat Jaam Do, eu tenha experimentado uma trajetória infernal, ao não conseguir manifestar corporalmente a ideia de “duas facas, um movimento”, que Si Fu me apresentou enquanto tomávamos uma sopa no Shopping Barra Square certa vez. 
E foi apenas com um estudo dedicado do “Luk Dim Bun Gwan” que percebi, com a ajuda de Si Fu, esse furo. 

For a long time on my journey I tried to solve problems in the same way. I didn't look at the situation, I did what I thought I should. So, even when I won, I lost.
This manifested itself in the technical part... I continued to use “one hand at a time”. And that prevented me from seeing that I didn't understand the hands moving together... It was one doing one thing and in the end the other started. This meant that in the Baat Jaam Do Domain, I experienced an infernal trajectory, when I was unable to express bodily the idea of “two knives, one movement”, which Si Fu introduced me to while we were having soup at  Barra Square Mall once.
And it was only with a dedicated study of “Luk Dim Bun Gwan” that I realized, with the help of Si Fu, this hole.

O “Luk Dim Bun Gwan” é um momento do Sistema em que você de certa forma recebe uma “última colher de chá”. Se você demora a aprender como eu, você tem a oportunidade de finalmente desenvolver a consciência nas duas mãos simultaneamente antes do Domínio “Baat Jaam Do”. Isso, acredito eu, favorece com que você tenha uma chance de /manusear as facas estando mentalmente presente em ambas. Isso ocorre a meu ver, porque sendo o bastão uma ferramenta única e com um formato único. Obriga você a segurá-lo e não soltá-lo mais. Veja: Você segura firme e isso não se aproxima, nem de longe, da variação durante do manuseio das facas. 
Então agora é como se o Sistema levasse você a entender que ao golpear, a outra mão “pode ir junto”, simplesmente por dar o Ving Tsun Gwan [詠春棍] para você segurar. E você poderá levar isso de volta para a prática do Chi Sau.
Contudo, ainda não consigo estar mentalmente presente nas duas mãos o tempo todo, acho que ninguém consegue fazer isso o tempo todo. Porém, o que de fato se torna possível, é perceber quando não o fazemos. Então você se pergunta: “Ei! O quanto estou consciente do que preciso aperfeiçoar a cada momento? O quanto estou consciente do furo que estou deixando?

The "Luk Dim Bun Gwan" is a moment in the System where you somehow get a "last chance". If you are slow learner like me, you have the opportunity to finally develop awareness on both hands simultaneously before the Domain “Baat Jaam Do”. This, I believe, favors giving you a chance to /handle the knives by being mentally present in both. This is, in my view, because the Gwan is a unique tool and with a unique shape. It forces you to hold it and not let go. See: You hold tight and it doesn't come close to variation when handling the knives.
So now it's as if the System has led you to understand that when striking, the other hand “can go along” with the first one. Simply by giving the Ving Tsun Gwan [詠春棍] for you to hold. And you can take that back to Chi Sau practice.
However, I still can't be mentally present on both hands all the time, I don't think anyone can do that all the time. However, what actually becomes possible is to notice when we don't. So you ask yourself, “Hey! How aware am I of what I need to improve at each moment? How aware am I of the hole I'm leaving in my moves?"




The disciple of Master Julio Camacho
Thiago Pereira “Moy Fat Lei”
moyfatlei.myvt@gmail.com