Apoie o Blog!

domingo, 15 de novembro de 2020

An essay on mental attitude in the Baat Jaam Do[(八斬刀)] Domain


 
Você consegue sofrer calado?  Voce consegue se decepcionar e não expressar essa decepção corporalmente? 

Quando me dei conta de que não poderia praticar e entender o Domínío Baat Jaam Do(八斬刀) na base da força, passei a ter uma espécie de bloqueio. Eu simplesmente pensava em praticar e dizia a mim mesmo que não conseguiria entender. Então, era como se eu jogasse na conta do Baat Jaam Do(八斬刀), uma atitude mental que era minha. Eu listava uma série de razões para praticar outros Domínios e não lidar com a frustração de me sentir literalmente burro, quando se tratava do uso das facas. 

Can you suffer quietly? Can you be disappointed and not express that disappointment bodily?

When I realized that I could not practice and understand the Baat Jaam Do (八 斬 刀) Domain using brute force, I started to have a kind of  mental blockade. I just thought about practicing and told myself that I would not understand. So, it was like I was thorwing on Baat Jaam Do (八 斬 刀) account, a mental attitude that was mine. I listed a number of reasons for practicing other Domains and not dealing with the frustration of feeling literally stupid when it came to using knives.


Obviamente que o mesmo acontece na vida cotidiana. Ainal de contas, o Baat Jaam Do(八斬刀) é uma profunda experiência de aprendizado para nos reconhecermos. Então é como se voce não quisesse lidar com uma situação que está trazendo um certo nível de aflição ou desconforto. Voce simplesmente diz não a ela e finge que não existe. Com a atitude mental do Baat Jaam Do(八斬刀), voce pode passar a desenvolver um aspecto maior de “aceitação“: “Ok, isso me aconteceu, e agora? Como eu trabalho em cima disso?“. Então de repente, voce passa a entender que é justamente porque uma situação é de um jeito que eu vou me beneficiar dela. E não  “apesar“ dela. 

Obviously the same is true in everyday life. After all, Baat Jaam Do (八 斬 刀) is a profound learning experience for us to recognize ourselves. So it's like you don't want to deal with a situation that is bringing you a certain level of distress or discomfort. You just say no to it and pretend it does not exist. With the mental attitude of Baat Jaam Do (八 斬 刀), you can start to develop a greater aspect of "acceptance": "Okay, that happened to me, now what? How do I work on that? “. Then suddenly, you come to understand that it is precisely because a situation is in a way that I will benefit from it. And not "despite" it.
Porém, aqui cabe outra pergunta: Se você não consegue sofrer calado. Se você não consegue se decepcionar e não expressar essa decepção corporalmente. Pode ser o caso de trabalhar isso, ao não fazer caretas ou expressões faciais desnecessárias quando golpear. Pois devemos observar nossa conduta diante de situações simples[ou simbólicas] num primeiro momento. Pois se nessas situações simples ou simbólicas, eu fico apático ou reajo de maneira infantil. Será que em situações complexas ou que não sejam simbólicas a minha conduta não seria a mesma? 
Portanto, expressões desnecessárias ou pesadas[mau humor, melancolia, etc...] não ajudam o artista marcial. Já que até mesmo Si Taai Gung Moy Yat falava na ideia de usarmos o verbo “play“ ao invés de “fight“ quando nos referíssemos ao Sistema Ving Tsun. “Play“ no sentido de “brincar“ e no sentido de aspecto artístico. 

However, here is another question: If you can't suffer in silence. If you can't be disappointed and don't express that disappointment bodily. It may be the case to work this out, by not making faces or unnecessary facial expressions when throwing a punch, kick or any technique. For we must observe our conduct in the face of simple [or symbolic] situations at first. Because if I get apathetic or react in a childish way in simple situations. Could it be that in complex situations or that are not symbolic, my conduct would not be the same?
Therefore, unnecessary or heavy expressions [bad mood, melancholy, etc ...] do not help the martial artist. Since even Si Taai Gung Moy Yat spoke of the idea of using the verb "to play" instead of "to fight" when referring to the Ving Tsun System. "Play" in the sense of "playing"[like kids] and in the sense of artistic aspect.



THE DSICIPLE OF MASTER JULIO CAMACHO
Thiago Pereira “Moy Fat Lei“
moyfatlei.myvt@gmail.com