Apoie o Blog!

quarta-feira, 25 de novembro de 2020

First Ving Tsun classes of Master Julio Camacho in the USA

by
Thiago Pereira


Imagine-se saindo de seu país aos cinquenta anos de idade, para começar um trabalho do zero no competitivo mercado dos Estados Unidos. Some a isso, deixar família, amigos, alunos e qualquer outra pessoa de seu convívio[com exceção de seu cônjuge] em seu país de origem. Parece um cenário desafiador, certo? 
Apesar de ser conhecido como uma pessoa inovadora e que gosta de se desafiar. Nem mesmo o Mestre Senior Julio Camacho, poderia imaginar que assim que pisasse em território americano, todo o comércio fecharia por conta da pandemia. Porém, ele não se desesperou. Lembrou-se de um conceito que seu Mestre Leo Imamura costuma citar, chamado “Espera Estratégica“. Que tem sua elucidação atribuída ao sinólogo francês François Jullien.
Certa vez, Grão-Mestre Leo Imamura propôs o seguinte questionamento:“...Não seria importante nós preocuparmos com o futuro?“- Ele mesmo responde:“...Pensar no futuro sim, mas nos preocuparmos não... O futuro é uma ficção, pois ele será o presente de amanhã. Tudo é presente, e o futuro é consequencia do presente de hoje“. 
Segundo o Grã-Mestre Leo Imamura, todos os sinais de ansiedade são muito importantes para a sobrevivencia de uma pessoa, mas o excesso de ansiedade é que se torna um problema. Pois este quando em excesso, ao invés de preparar alguém para sobreviver. Propicia sintomas como o medo de enfrentar situações, em decorrência de não saber o que fazer ou como atuar em um cenário “VUCA“[Que é a sigla em ingles para: Volatil, incerto, complexo e ambiguo].
Ele explica que em relação a um cenário deste tipo, o “Volátil“ diz respeito a uma mudança a toda hora. “Incerto“ , pois não se sabe com certeza como ele será. “Complexo“, pois nada é simples, tudo tem uma implicação futura. E finalmente “Ambíguo“ pois as coisas não são o que parecem.

Imagine yourself leaving your country at the age of fifty, to start a job from scratch in the competitive United States market. Add to that, leaving family, friends, students and anyone else in your life [with the exception of your spouse] in your home country. It sounds like a challenging scenario, right?
Despite being known as an innovative person and who likes to challenge himself. Even Senior Master Julio Camacho could not imagine that as soon as he set foot on American territory, all stores and services would close due to the pandemic. However, he did not despair. He remembered a concept that his Master Leo Imamura used to quote, called “Strategic Waiting”. Which has its elucidation attributed to the French sinologist François Jullien.
Once, Grand Master Leo Imamura asked the following question: “... Wouldn't it be important for us to be concerned with the future?” - He himself answers: “... Thinking about the future, yes, but not worrying ... The future it is a fiction, because it will be tomorrow's present. Everything is present, and the future is a consequence of today's present ”.
According to Grandmaster Leo Imamura, all signs of anxiety are very important for a person's survival, but excess of anxiety becomes a problem. For this when in excess, instead of preparing someone to survive. It provides symptoms such as fear of facing situations, due to not knowing what to do or how to act in a “VUCA“ scenario [which is the acronym in English for: Volatile, uncertain, complex and ambiguous].
He explains that in relation to a scenario of this type, the "Volatile" refers to a change all the time. "Uncertain", because it is not known for sure how it will be. "Complex", because nothing is simple, everything has a future implication. And finally “Ambiguous” because things are not what they seem.

Diante desse cenário volátil. incerto, complexo e ambíguo. O Mestre Senior Julio Camacho fez uso da chamada “Espera Estratégica“. Ele não se desesperou, soube aguardar o momento certo de começar a atuar, enquanto cultivava potenciais. E por isso, foi com alegria que recebi as fotos de mais uma aula que deu no último Sábado em território americano. Esta porém, resultado de entrevistas que vem dando para canais de brasileiros. Principalmente de pessoas que residem na Flórida e que produzem conteúdo para outros cidadãos brasileiros. 
As entrevistas tem sido muito bem sucedidas, com as próprias equipes entusiasmadas, elogiando principalmente a quantidade de conteúdo compartilhado pelo Mestre Senior e uma curiosa sensação que haveria mais para ser compartilhado se houvesse mais tempo. 

Faced with this volatile scenario. uncertain, complex and ambiguous. Senior Master Julio Camacho made use of the so-called “Strategic Waiting”. He didn't despair, he knew how to wait for the right moment to start acting, while cultivating potentials. And so, it was with joy that I received the photos of another class that he gave last Saturday in American territory. This, however, is the result of interviews he has been giving to Brazilian channels. Especially from people who reside in Florida and produce content for other Brazilian citizens.
The interviews have been very successful, with the teams enthusiastic, praising mainly the amount of content shared by the Senior Master and a curious feeling that there would be more to be shared if there was more time.
Mestre Senior Julio Camacho começa um trabalho com diferentes grupos em diferentes localidades da Florida. Ele chama essa atuação de um “Trabalho móvel“. Os deslocamentos tem sido fáceis e cada localidade tem apresentado uma cultura própria muito diferente da outra. 
Apesar de num primeiro momento a intenção fosse trabalhar diretamente com americanos, a base cultural tem ajudado muito no entendimento do “Programa Fundamental“. Programa este desenvolvido pelo próprio Mestre Senior, a fim de que dentre outros “features“, um único profissional pudesse atender um grupo maior sem perder a qualidade. 
O Mestre Senior mais uma vez escolhe plantar sementes para daqui a um tempo. Tendo em vista que logo em breve estará de volta ao Brasil e permanecerá no país por um mês.
Este tipo de conduta, demonstra na prática o que se entende por  “Espera Estratégica“. Além disso, a ética do Mestre Senior que está sempre alinhada. Não lhe permite ficar ansioso sobre o futuro e nem se desesperar.  O que para todos os seus descendentes, é uma grande inspiração.

 Senior Master Julio Camacho starts his work with different groups in different locations in Florida. He calls this performance a "mobile work". Getting around has been easy and each location has its own culture very different from the other.Although at first the intention was to work directly with Americans, the cultural base has helped a lot in understanding the "Fundamental Program". This program was developed by the Senior Master himself, so that, among other features, a single professional could attend a larger group without losing quality.

The Senior Master once again chooses to plant seeds for a while. Bearing in mind that soon he will be back in Brazil and will remain in the country for a month.This type of conduct demonstrates in practice what is meant by "Strategic Waiting". In addition, the ethics of the Senior Master who is always aligned. It does not allow him to be anxious about the future or to despair.iWich for all his descendants, is a great inspiration.

domingo, 22 de novembro de 2020

Carol and Well: “Taking Si Fu Thiago Pereira to ride a motorcycle and dance“

 


Introdução por:
Mestre Thiago Pereira

A vida tem sido dura com todos nós nesse ano de 2020, mas talvez por ter aprendido por mais de vinte anos com meu Mestre Julio Camacho a relaxar em situações de crise. Acredito que tenha desenvolvido uma certa sensibilidade para apreciar pequenos e singelos momentos como se fossem únicos, e deles, extrair algum aprendizado. 
Minha vida particular começou a ir mal desde Junho de 2017, e além disso, muito trabalho e pouco tempo para dedicar a mim mesmo. Então no ano de 2019 resolvi me dedicar mais tempo: Me matriculei numa moto-escola para realizar o sonho de aprender a pilotar uma moto. Além disso, descobri um local próximo ao Mo Gun que tem shows ao vivo de bandas que tocam trilhas sonoras de filmes e músicas das décadas de  '70 e '80.. Eu comecei a frequentar o local, e cada vez que entro lá, é um momento que tenho para dançar e cantar... Além disso, pude fazer novas amizades.
Conversando com meu Mestre Julio Camacho certa vez, ele disse-me que um bom Si Fu consegue prover Vida-Kung Fu em qualquer ambiente. E com isso, aceitei o convite do meu discípulo Wellington Souza para treinar em sua moto e convidei minha discípula Caroline Archanjo para me acompanhar numa das idas ao Pub que toca músicas antigas... Nas linhas a seguir, eles compartilhar um pouco sobre como foram esses momentos para eles...

Thiago Pereira “Moy Fat Lei“
Novembro de 2020

Introduction by:
Master Thiago Pereira

Life has been hard on all of us in 2020, but perhaps because I learned for more than twenty years with my Master Julio Camacho to relax in crisis situations. I believe that I have developed a certain sensitivity to appreciate small and simple moments as if they were unique, and to extract some learning from them.
My private life started to go badly since June 2017, and besides, a lot of work and little time to dedicate myself. So in 2019 I decided to dedicate more time to myself: I enrolled in a motorcycle school to fulfill the dream of learning to ride a motorcycle. In addition, I discovered a location near Mo Gun that has live shows by bands that play movie soundtracks  and music from the 70´s  and the '80s . I started going to the place, and every time I go there, it's a moment I have to dance and sing ... Besides, I was able to make new friends.
Talking to my Master Julio Camacho once, he told me that a good Si Fu can provide Kung Fu-Life in any environment. And with that, I accepted the invitation of my disciple Wellington Souza to train on his motorcycle and invited my disciple Caroline Archanjo to accompany me on one of the flashback nights at the Pub that plays old songs ... In the following lines, they share a little about how were these moments for them ...

Thiago Pereira “Moy Fat Lei“
November 2020


ENSINANDO SI FU A ANDAR DE MOTO
por Wellington Souza

TEACHING SI FU TO RIDE A MOTORCYCLE
by Wellington Souza


 Hoje foi um muito dia especial! Aqui estou, tendo acesso ao Domínio “Cham Kiu”. Uma bela manhã de Domingo na Península da Barra da Tijuca, onde vivi mais um momento de “Vida Kung Fu” com meu Si Fu Thiago Pereira. Após o café da manhã, pude me sentir como um instrutor de moto-escola;

Today was a very special day! Here I am, having access to the Domain “Cham Kiu”. A beautiful Sunday morning in the Barra da Tijuca Peninsula, where I lived another moment of “Kung Fu-Life” with my Si Fu Thiago Pereira. After breakfast, I could feel like a motorcycle school instructor;


Si Fu ficou treinando na minha moto para fazer a prova que será em breve. Percebi que Si Fu precisava de alguns ajustes, entre uma volta e outra, ele parava ao meu lado e tirava algumas dúvidas em relação a ajustes entre máquina/homem.Então ao final, perguntei a Si Fu sobre sua experiência. Ele disse-me que teve dificuldades em colocar à moto no neutro e outros assuntos relacionados. 

Si Fu was training on my bike to do the exams that will be soon. I realized that Si Fu needed some adjustments, between laps and turns, he would stop by my side and clear up some doubts regarding adjustments between machine / man. Then at the end, I asked Si Fu about his experience. He told me that he had difficulties putting the bike in neutral and other related matters.
Então ele nos conduziu até um jardim onde falou: ”Preste atenção”. Quando percebi, que estava tendo acesso ao Cham Kiu, travei!!! E Si Fu perguntava:”Você está entendendo o que está acontecendo?” - E eu continuei travado por um tempo, até que consegui executar o que foi mostrado. Sigamos!

Then he led us to a garden where he said: "Pay attention". When I realized that I was having access to Cham Kiu, I froze up !!! And Si Fu asked, "Do you understand what is happening?" - And I stayed stuck for a while, until I managed to execute what was shown. Let's go!

 O discípulo no 10 do Mestre Thiago Pereira: 
Wellington Souza “Moy Waan Lei Tung”

The Number 10 disciple of Master Thiago Pereira.
Wellington Souza “Moy Waan Lei Tung”

APRENDENDO A DANÇAR COM SI FU
por Caroline Archanjo

LEARNING TO DANCE WITH SI FU
by Caroline Archanjo



Pude acompanhar meu Si Fu até um Pub, que é um local que ele gosta bastante de frequentar, por duas vezes nas últimas semanas. Num primeiro momento, eu estava ainda com certo nível de tensão, e certamente não parecia alguém que costuma frequentar o lugar. Mas apesar disso, foi um ótimo momento para poder apreciar as músicas, o ambiente e ouvir Si Fu falar um pouco sobre algumas músicas e sobre as bandas, muitas das quais eu não conhecia. Na nossa segunda ida, Si Fu compartilhou um pouco comigo sobre saber se adequar ao ambiente, pois eu estava bastante travada e encostada todo o tempo na mesa, e falou sobre como eu poderia acompanhar qualquer música dançando, através do que ele chamou de “Siu Nim Do da dança" risos. Um simples movimento dos calcanhares para dentro,como quando entramos em “Yi Ji Kim Yeung Ma”, só que em tempos diferentes que permite dançar qualquer ritmo. Foi bem divertido, e consegui me sentir parte do ambiente acompanhando passos de épocas em que nem era nascida. Algo bem diferente de nossa primeira ida. 

I was able to accompany my Si Fu to a Pub, which is a place he likes a lot to go . At first, I was still with a certain level of tension, and I certainly didn't look like someone who used to frequent the place. But despite that, it was a great time to be able to enjoy the songs, the environment and hear Si Fu talk a little about some songs and bands, many of which I didn't know. On our second moment there, Si Fu shared with me a little bit about knowing how to adapt to the environment, as I was very stuck and leaning all the time at the table, and talked about how I could follow any song dancing, through what he called “A Siu Nim Do for dance "[laughs]. A simple movement of the heels inwards, as when entering" Yi Ji Kim Yeung Ma ", in different timing that allows dancing to any rhythm. It was very fun, and I managed to feel part of the environment accompanying steps from times when I wasn't even born, something quite different from our first trip.


Pude aprender também sobre relaxar mais e saber manter a atenção de forma mais relaxada, e apreciar bastante a noite, e me lembrei de uma frase que Si Fu costuma dizer e que pra mim é bastante especial: "Um dia, uma vida." Certamente essa experiência vai me lembrar de apreciar cada momento, vivendo cada dia ao máximo. E me lembrar de não deixar de dançar. 

I was also able to learn about relaxing more and knowing how to keep my attention in a more relaxed way, and really enjoy the night, and I remembered a phrase that Si Fu used to say and that is very special to me: "One day, one life." This experience will certainly remind me to enjoy every moment, living each day to the fullest. And remember not to stop dancing.

Discípula numero 6 do Mestre Thiago Pereira,
Caroline Archanjo “Moy Ging Feng”

The number 6 disciple of Master Thiago Pereira
Caroline Archanjo “Moy Ging Feng” 


PRÓXIMO ARTIGO DOS MEMBROS 
VITALÍCIOS DA FAMÍLIA MOY FAT LEI:

NEXT ARTICLE BY THE
SPECIAL STUDENTS OF MOY FAT LEI FAMILY:


Dizem que tudo o que você faz com seu Si Fu, seu discípulo fará com voce!
No próximo artigo dos membros vitalícios. Thiago Duarte vai reclamar do “Lap Sau” igual seu Si Fu fez no ano de 2000, para só então começar a apreciar o “Siu Nim Tau”! Não perca!

They say that whatever you do with your Si Fu, your disciple will do with you too!
In the next article of the special students. Thiago Duarte will complain about the “Lap Sau” just like his Si Fu did in 2000, only then to start enjoying “Siu Nim Tau”! Don't miss out!


MASTER JULIO CAMACHO´S INCREDIBLE REMOTE BIRTHDAY

by
Thiago Pereira
 
Nunca estivemos tão longe e nunca estivemos tão próximos... Num ano em que o improvável não nos surpreende mais, o carioca e Mestre Senior de Ving Tsun Kung Fu Julio Camacho. Celebrou seu natalício na companhia de sua leal esposa e de alunos espalhados em várias partes do mundo, através de uma celebração virtual que já entrou para a história. Além dos alunos, familiares, companheiros de jornada e de profissão, além dos próprios líderes da instituição a qual é vinculado [Moy Yat Ving Tsun Martial Intelligence] também estiveram presentes. 
Organizado pelos próprios alunos do Mestre Senior, o evento contou com um divertido QUIZ a respeito de marcos de sua vida. Porém, os momentos emocionantes também se fizeram presentes! Como quando Mestre Julio Camacho rememorou as etapas para conseguir seu visto de cidadão americano, e da importância de seu Mestre Leo Imamura neste processo. Ele também lembrou-se de momentos com seu já falecido avo, e quanto as palavras dele após um campeonato de Surf do qual participara quando jovem, moldaram seu caráter determinado. 

We have never been so far and we have never been so close ... In a year in which the improbable does not surprise us anymore, the carioca and Senior Master of Ving Tsun Kung Fu Julio Camacho. He celebrated his birthday in the company of his loyal wife and students scattered around the world, through a virtual celebration that has now entered history. In addition to students, family members, fellow martial artists and professionals, as well as the leaders of the institution to which he is linked [Moy Yat Ving Tsun Martial Intelligence] were also present.
Organized by the Senior Master students themselves, the event featured a fun QUIZ about milestones in his life. However, the emotional moments were also present, as when Master Julio Camacho recalled the steps to obtain his visa as an American citizen, and the importance of his Master Leo Imamura in this process. He also remembered moments with his late grandfather, and how much his words after a Surf Championship in which he participated as a young man, shaped his determined character.


De um apartamento minimalista que deixaria Dieter Rams orgulhoso e onde vive com sua esposa na Florida. O Mestre Senior acompanhou vestido a caráter. Depoimentos emocionantes das quase cem pessoas que estiveram on line no fim da tarde do último Sábado para prestigiá-lo. 
E foi quando falou de seu estilo de vida que ele homenageou sua esposa, a Sra. Marcia Moura Camacho. Segundo o Mestre carioca que reside desde Janeiro nos EUA, tem sido ela a pessoa que está com ele em seu dia a dia: Amiga, confidente, a pessoa que houve suas vitórias e lamúrias... Mestre Julio Camacho fez questão de valorizar a pessoa que está com ele nesses momentos de altos e baixos que este ano lhe trouxe. 
Além dela, Mestre Julio Camacho também se emocionou falando dos seis meses que pode viver com sua mãe, a Sra Vera Camacho, em sua casa nos EUA. - “...Eu deixava a Marcia no trabalho e depois passávamos o dia todo juntos...“ - Disse ele sorrindo. Sobre o futuro, além de projetos profissionais que começam a florescer na Florida com os primeiros grupos de alunos. Mestre Julio Camacho sorriu ao se dirigir as suas filhas, falando da ansiedade em estar junto delas depois de tanto tempo. 
A página INSIDE VING TSUN deixa os parabéms ao Mestre Julio Camacho por mais um ano de vida!

 From a minimalist apartment that would make Dieter Rams proud and where he lives with his wife in Florida. The Senior Master watched the emotional testimonies of the nearly one hundred people who were online in the late Saturday afternoon to honor him.
And it was when he spoke of his lifestyle that he honored his wife, Mrs. Marcia Moura Camacho. According to the Master from Rio de Janeiro who has lived in the United States since January, she has been the person who is with him in his daily life: Friend, confidant, the person who hears about his victories and complaints ... Master Julio Camacho made a point of valuing the person who is with him in those moments of ups and downs that this year has brought him.
Besides her, the Master was also touched talking about the six months he can live with his mother, Mrs. Vera Camacho, at his home in the USA. - "... I used to leave Marcia at work and then spent the whole day together with my mom ..." - He said smiling. About the future, in addition to professional projects that start to flourish in Florida with the first groups of students. Master Julio Camacho smiled as he addressed his daughters, talking about the anxiety of being with them after so long.
The INSIDE VING TSUN page congratulates Master Julio Camacho for another year of life!

quarta-feira, 18 de novembro de 2020

An essay on pain during the practice of Yi Ji Kim Yeung Ma [二字鉗羊馬]


 Quando tomei contato pela primeira vez com a estrutura de base chamada Yi Ji Kim Yeung Ma [二字鉗羊馬], não consegui entende-la. Eu era pregresso de outra arte marcial, e das demais que eu havia tido contato, nunca tinha visto nada parecido. Porém, antes de mais nada, eu era um grande aficionado pelas produções cinematográficas chinesas. Então, apesar de não entender aquela postura, eu imaginava que poderia ser algum tipo de postura especial que teria seu segredo revelado mais adiante. 
De fato, esse “mais adiante“, levou alguns anos...Mas essa é outra história. Pois algo que me chamou a atenção desde e o primeiro momento, era a dor causada nas pernas ao tentar permanecer nessa estrutura por muito tempo.
As vezes a dor era nas coxas, então eu tentava me organizar e a dor passava para os joelhos na semana seguinte. Depois, tornozelos e assim por diante... Foi então que eu afastei mais os pés um do outro, o que me deu um conforto maior. Mas foi em 2001, um ano depois destes primeiros acontecimentos, que ouvi de Si Fu que a pessoa que afasta os pés um do outro para fugir do desconforto, terá problemas quando chegar ao Domínio Cham Kiu, pois o espaço entre os passos terá a tendência a ser grande. O que levaria você a demorar mais a colocar o pé no chão, e isso te deixaria mais exposto.
Ele falava isso para outro praticante, e eu ouvi mesmo assim. 

When I first came into contact with the stance structure called Yi Ji Kim Yeung Ma [二字 鉗 羊馬], I couldn't understand it. I was a practitioner of another martial art before Ving Tsun, and of the others I had had contact with, I had never seen anything like it. However, first of all, I was a big fan of Chinese film productions. So, although I didn't understand that posture, I imagined it could be some kind of special posture that would have its secret revealed later.
In fact, this "later" took a few years ... But that is another story. Because something that caught my attention since the first moment, was the pain caused in the legs when trying to stay in this structure for a long time.
Sometimes the pain was in my thighs, so I tried to organize myself and the pain passed to my knees the following week. Then, ankles and so on ... It was then that I moved my feet further apart, which gave me greater comfort. But it was in 2001, a year after these first events, that I heard from Si Fu that the person who moves their feet apart to escape the discomfort, will have problems when start at the Domain Cham Kiu, because the space between the feet will have the tendency to be large. Which would take you longer to put your foot on the ground, and that would leave you more exposed.
He said this to another practitioner, and I heard it anyway.

Ei, as vezes a vida fica difícil, não é mesmo? Ao lidarmos com situações que vão além da nossa capacidade de compreensão naquele momento, tendemos a fugir delas...negá-las... E assim também acontece com o Yi Ji Kim Yeung Ma [二字鉗羊馬]. Afinal, por ser uma configuração corporal exótica ao nosso dia a dia, nosso corpo nos primeiros momentos parece não conseguir entender o que deve fazer. Com isso, ele deposita energia em excesso em pontos desnecessários, o que causa a dor. E nós, acabamos por cair no enfrentamento desta dor. 
Uma possibilidade a qual tive acesso com meu Si Fu, é a de que não devemos recusar esse momento da dor. Pois segundo ele, demoramos muito para chegar nesse ponto. Por que então não curtir o momento? Pois a maioria dos praticantes, quando começam a sentir dor ou desconforto, resolvem parar. 
As vezes eu gosto de dizer que nunca desisti. Isso não é completamente verdade. Desistimos de coisas importantes diariamente, das menores as maiores. Geralmente por conta da dor ou da frustração que nos causam. E eu tenho algumas destas desistências em minha trajetória de vida. A diferença, é que com relação ao Yi Ji Kim Yeung Ma [二字鉗羊馬], eu posso tentar mais uma vez agora mesmo. Outras desistências, nunca mais terei outra chance de voltar e tentar novamente.
Por isso acredito, na importância da prática das artes marciais. Tendo Kung Fu, você até pode fazer uma parada estratégica, mas você segue em frente e ainda curte a dor e o desconforto.

Hey, sometimes life gets tough, doesn't it? When dealing with situations that go beyond our ability to understand at that moment, we tend to run away from them ... to deny them ... And so it is with Yi Ji Kim Yeung Ma [二字 鉗 羊馬]. After all, because it is an exotic body configuration to our daily lives, our body at first seems to be unable to understand what it should do. With this, it deposits excess energy in unnecessary points, which causes the pain. And we ended up falling for this pain.
One possibility that I had access to with my Si Fu is that we must not refuse this moment of pain. According to him, it took us a long time to reach that point. So why not enjoy the moment? Because most practitioners, when they start to feel pain or discomfort, decide to stop.
Sometimes I like to say that I never gave up. This is not completely true. We give up important things daily, from the smallest to the largest. Usually because of the pain or frustration they cause us. And I have some of these dropouts in my life. The difference is that with Yi Ji Kim Yeung Ma [二字 鉗 羊馬], I can try it again right now. Other withdrawals, I will never have another chance to go back and try again.
That is why I believe in the importance of practicing martial arts. When you have Kung Fu, you can even make a strategic stop, but you move on and still enjoy the pain and discomfort.

THE DISCIPLE OF MASTER JULIO CAMACHO
Thiago Pereira “Moy Fat Lei“
moyfatlei.myvt@gmail.com

domingo, 15 de novembro de 2020

An essay on mental attitude in the Baat Jaam Do[(八斬刀)] Domain


 
Você consegue sofrer calado?  Voce consegue se decepcionar e não expressar essa decepção corporalmente? 

Quando me dei conta de que não poderia praticar e entender o Domínío Baat Jaam Do(八斬刀) na base da força, passei a ter uma espécie de bloqueio. Eu simplesmente pensava em praticar e dizia a mim mesmo que não conseguiria entender. Então, era como se eu jogasse na conta do Baat Jaam Do(八斬刀), uma atitude mental que era minha. Eu listava uma série de razões para praticar outros Domínios e não lidar com a frustração de me sentir literalmente burro, quando se tratava do uso das facas. 

Can you suffer quietly? Can you be disappointed and not express that disappointment bodily?

When I realized that I could not practice and understand the Baat Jaam Do (八 斬 刀) Domain using brute force, I started to have a kind of  mental blockade. I just thought about practicing and told myself that I would not understand. So, it was like I was thorwing on Baat Jaam Do (八 斬 刀) account, a mental attitude that was mine. I listed a number of reasons for practicing other Domains and not dealing with the frustration of feeling literally stupid when it came to using knives.


Obviamente que o mesmo acontece na vida cotidiana. Ainal de contas, o Baat Jaam Do(八斬刀) é uma profunda experiência de aprendizado para nos reconhecermos. Então é como se voce não quisesse lidar com uma situação que está trazendo um certo nível de aflição ou desconforto. Voce simplesmente diz não a ela e finge que não existe. Com a atitude mental do Baat Jaam Do(八斬刀), voce pode passar a desenvolver um aspecto maior de “aceitação“: “Ok, isso me aconteceu, e agora? Como eu trabalho em cima disso?“. Então de repente, voce passa a entender que é justamente porque uma situação é de um jeito que eu vou me beneficiar dela. E não  “apesar“ dela. 

Obviously the same is true in everyday life. After all, Baat Jaam Do (八 斬 刀) is a profound learning experience for us to recognize ourselves. So it's like you don't want to deal with a situation that is bringing you a certain level of distress or discomfort. You just say no to it and pretend it does not exist. With the mental attitude of Baat Jaam Do (八 斬 刀), you can start to develop a greater aspect of "acceptance": "Okay, that happened to me, now what? How do I work on that? “. Then suddenly, you come to understand that it is precisely because a situation is in a way that I will benefit from it. And not "despite" it.
Porém, aqui cabe outra pergunta: Se você não consegue sofrer calado. Se você não consegue se decepcionar e não expressar essa decepção corporalmente. Pode ser o caso de trabalhar isso, ao não fazer caretas ou expressões faciais desnecessárias quando golpear. Pois devemos observar nossa conduta diante de situações simples[ou simbólicas] num primeiro momento. Pois se nessas situações simples ou simbólicas, eu fico apático ou reajo de maneira infantil. Será que em situações complexas ou que não sejam simbólicas a minha conduta não seria a mesma? 
Portanto, expressões desnecessárias ou pesadas[mau humor, melancolia, etc...] não ajudam o artista marcial. Já que até mesmo Si Taai Gung Moy Yat falava na ideia de usarmos o verbo “play“ ao invés de “fight“ quando nos referíssemos ao Sistema Ving Tsun. “Play“ no sentido de “brincar“ e no sentido de aspecto artístico. 

However, here is another question: If you can't suffer in silence. If you can't be disappointed and don't express that disappointment bodily. It may be the case to work this out, by not making faces or unnecessary facial expressions when throwing a punch, kick or any technique. For we must observe our conduct in the face of simple [or symbolic] situations at first. Because if I get apathetic or react in a childish way in simple situations. Could it be that in complex situations or that are not symbolic, my conduct would not be the same?
Therefore, unnecessary or heavy expressions [bad mood, melancholy, etc ...] do not help the martial artist. Since even Si Taai Gung Moy Yat spoke of the idea of using the verb "to play" instead of "to fight" when referring to the Ving Tsun System. "Play" in the sense of "playing"[like kids] and in the sense of artistic aspect.



THE DSICIPLE OF MASTER JULIO CAMACHO
Thiago Pereira “Moy Fat Lei“
moyfatlei.myvt@gmail.com



terça-feira, 10 de novembro de 2020

A NEW DISCIPLE IN MOY FAT LEI KUNG FU FAMILY

 


De um jeito muito peculiar, a vida foi se ajustando naturalmente para que no último Sábado houvesse o convite para discipulado de Dimitri Andrade, durante um café da manhã muito acolhedor organizado pelo próprio e seu “Gai Siu Yan“[apresentador formal] Matheus Alves. 
O processo chamado de “Baai Si“ foi proposto em novas etapas pelo meu Mestre Julio Camacho, sendo a primeira delas o que chamamos de “Convite Formal“.

In a very peculiar way, life adjusted naturally so that last Saturday there was an invitation for discipleship for Dimitri Andrade, during a very cozy breakfast organized by himself and his “Gai Siu Yan“ [formal introducer] Matheus Alves.
The process called "Baai Si" was proposed in new stages by my Master Julio Camacho, the first of which is what we call "Formal Invitation".

[Matheus apresenta Dimitri durante o convite 
formal na manhã do último Sábado]

[Matheus introduces Dimitri during the 
formal invitation on Saturday morning]

O convite formal é um momento em que o próprio aspirante a membro vitalício de uma Família Kung Fu, organiza uma refeição em algum local de sua escolha sob uma “Perspectiva Kung Fu“, para que o convite ocorra. Para que haja esse processo envolvendo o desenvolvimento do “Kung fu“, a figura do “ Gai Siu Yan“ é fundamental. Pois este será o responsável não só por apresentar formalmente o praticante ao Si Fu e a Família Kung Fu, como também é aquele praticante mais antigo com que este candidato poderá se sentir mais confortável para contar em seus primeiros momentos após ser admitido na Família Kung Fu.


The formal invitation is a moment when the aspiring Kung Fu Family member organizes a meal in a place of his choice under a "Kung Fu Perspective", so that the invitation occurs. In order to have this process involving the development of "Kung fu", the figure of "Gai Siu Yan" is essential. Because he will be responsible not only for formally introducing the practitioner to Si Fu and the Kung Fu Family, but he is also the oldest practitioner that this candidate may feel most comfortable with in his first moments after being admitted to the Kung Fu Family. .
[Almoço com Matheus e Wellington no final
da manhã do último Sábado]

[Lunch with Matheus and Wellington at the end 
last Saturday morning]


Matheus Alves é um membro vitalício de minha Família Kung Fu. Um jovem que chegou no Mo Gun pela primeira vez com seus dois melhores amigos e com camisas com motivos de jogos de video game e outros personagens. Matheus dedicou-se com afinco nos últimos três anos ao processo de transmissão tendo um papel cada vez mais relevante dentro de nossa Família Kung Fu. Por conta disso, seu contato com Dimitri se deu naturalmente e ele acabou escolhendo Matheus como seu “Gai Siu Yan“. 
Pude almoçar com Matheus uma semana antes do convite e no final da manhã em que o convite ocorreu. Olhando para Matheus tão jovem assumindo uma posição de relevância em diferentes níveis, me faz pensar na importância de nos dedicarmos com afinco ao que nos propomos a fazer. Afinal, podemos estar dando o exemplo a alguém, sem que ao menos saibamos. 

Matheus Alves is a lifelong member of my Kung Fu Family. A young man who arrived at Mo Gun for the first time with his two best friends and in shirts with motifs from video games and other characters. Matheus has dedicated himself to the transmission process over the last three years, playing an increasingly important role within our Kung Fu Family. Because of this, his contact with Dimitri came naturally and he ended up choosing Matheus as his “Gai Siu Yan“.
I was able to have lunch with Matheus a week before the invitation and at the end of the morning when the invitation occurred. Looking at Matheus so young taking on a relevant position at different levels, it makes me think of the importance of dedicating ourselves to what we set out to do. After all, we may be setting an example for someone, without even knowing it.



The Disciple of Master Julio Camacho
Thiago Pereira “Moy Fat Lei“
moyfatlei.myvt@gmail.com

segunda-feira, 9 de novembro de 2020

MASTER JULIO CAMACHO WILL GO LIVE AGAIN ON YOUTUBE NEXT TUESDAY


 No início dos anos ´50 em Hong Kong, um então protetorado britânico, a Família Kung Fu recém formada e liderada pelo Patriarca Ip Man recebeu seu primeiro desafio. Patriarca Ip Man mais tarde se tornaria uma das pessoas mais conhecidas de todos os tempos no mundo das artes marciais chinesas por diferentes razões, sendo a mais recente delas, a franquia de filmes sobre a sua vida estrelando o ator chines Donnie Yen. Acontece que naqueles tempos em Hong Kong, ninguém sabia nada a seu respeito e nem da arte marcial chamada “Ving Tsun“, a qual ele era responsável pela salvaguarda. Com esse cenário, talvez fosse interessante que utilizasse do desafio para se autopromover, mas aos 56 anos de idade, ele decidiu indicar um de seus alunos mais próximos para representar o “Ving Tsun“ neste desafio. O “Ving Tsun“ saiu-se vitorioso, e Patriarca Ip Man provou um ponto importante: O grande mestre, não necessariamente precisa ser um grande lutador. Mais do que isso, a arte acabou por promover a si mesma, com esta e outras vitórias de alunos do Patriarca Ip Man. Desta maneira, o Ving Tsun passou a ser conhecido em toda a Hong Kong, e conforme os anos passavam, a maestria de Ip Man era apresentada mais profundamente, através da prominência e qualidade de seus descendentes no Clã Ving Tsun.  Dentre eles, Moy Yat.

In the early 1950s in Hong Kong, a then British protectorate, the newly formed Kung Fu Family, led by Patriarch Ip Man, received its first challenge. Patriarch Ip Man would later become one of the most well-known people of all time in the Chinese martial arts world for different reasons, the most recent being the film franchise about his life starring Chinese actor Donnie Yen. It turns out that in those days in Hong Kong, no one knew anything about him or even the martial art called "Ving Tsun", which he was responsible for safeguarding. With this scenario. it might be interesting that he used the challenge to promote himself, but at the age of 56, he decided to appoint one of his closest students to represent “Ving Tsun” in this challenge. The "Ving Tsun" came out victorious, and Patriarch Ip Man proved an important point: The great master does not necessarily need to be a great fighter. More than that, the art ended up promoting itself, with this and other victories of students of Patriarch Ip Man. In this way, Ving Tsun became known throughout Hong Kong, and as the years passed, the mastery of Ip Man was presented more deeply, through the prominence and quality of his descendants in the Ving Tsun Clan. Among them, Moy Yat.
[Mestre Julio Camacho e o Mestre de seu Mestre, 
Patriarca Moy Yat, em sua residencia nos EUA nos anos 90.]

[Master Julio Camacho and the Master of his Master,
Patriarch Moy Yat, at his residence in the USA in the 1990s.]

Patriarca Moy Yat parece ter herdado de seu Mestre Ip Man, o gosto pela discrição. Pois em 1988, durante o evento chamado “All Kung Fu Masters“ , os repórteres de revistas especializadas presentes pareciam não entender a comoção dos presentes quando Patriarca Moy Yat adentrou o recinto. Pois residindo nos EUA desde 1973, o discípulo de Patriarca Ip Man, abriu mão dos holofotes para dedicar-se ao amadurecimento de sua Família Kung Fu. 

Patriarch Moy Yat seems to have inherited from his Master Ip Man, the taste for discretion. For in 1988, during the event called “All Kung Fu Masters“, the reporters of specialized magazines present seemed not to understand the commotion of those present when Patriarch Moy Yat entered the room. For residing in the USA since 1973, the disciple of Patriarch Ip Man, gave up the spotlight to dedicate himself to the maturation of his Kung Fu Family.

Acreditando firmemente no poder da discrição e de que a promoção de um Mestre é muito mais potente quando pelas vozes, palavras e ações de seus descendentes. O Mestre Senior Julio Camacho, tornou-se conhecido na internet através de sites de mais de uma dezena de alunos, que compartilham seus momentos de convivencia e aprendizado com ele. 
Este renomado Mestre de Ving Tsun da Linhagem Ip Man, que reside nos EUA desde Janeiro deste ano, vparticipará pela primeira vez de uma série de entrevistas ao vivo no Youtube a canais americanos desta plataforma em função de seu desafio de trazer relevancia ao trabalho da Moy Yat Ving Tsun Martial Intelligence nos EUA.
Sempre fazendo jus a herança que recebeu de seu Mestre Leo Imamura, que é a de se aprofundar em assuntos de maneira que leve a audiência a uma profunda reflexão ressignificando o que era considerado “óbvio“. Mestre Julio estará ao vivo na próxima Terça no canal americano PERGUNTAS. 
Para ter acesso a transmissão ao vivo, basta clicar AQUI.
Não perca essa entrevista super especial!

Firmly believing in the power of discretion and that the promotion of a Master is much more potent  through the voices, words and actions of his descendants. Senior Master Julio Camacho, became known on the internet through the websites of more than a dozen students, who share their moments of interaction and learning with him.
This renowned Ving Tsun Master of the Ip Man Lineage, who has lived in the USA since January this year, will be giving interviews for the first time ever on Youtube to American channels on this platform to make Moy Yat Ving Tsun Martial Intelligence best known. 
Always living up to the inheritance he received from his Master Leo Imamura, which is to go deeper into issues in a way that takes the audience to a deep reflection, reframing what was considered “obvious”. Mestre Julio will be live next Tuesday on the American channel QUESTIONS.
To access the live broadcast, just click HERE.
Don't miss this super special interview!


quinta-feira, 5 de novembro de 2020

MASTER JULIO CAMACHO WILL GO LIVE VIA YOUTUBE TODAY.

 

Por [By]
Thiago Pereira

Parece que foi ontem que Mestre Julio Camacho embarcou com sua esposa, Sra. Marcia Moura Camacho, rumo a um novo desafio nos EUA:O de estabelecer a Moy Yat Ving Tsun Martial Intelligence em solo americano, e por conseguinte, o Clã de Ving Tsun Kung Fu Moy Jo Lei Ou do qual é líder. 
Com o advento da pandemia e sempre movendo adiante, coube ao Mestre Senior se reinventar, para que seu compromisso de salvaguardar o Sistema Ving Tsun para as próximas gerações, pudesse ser mantido. 
Sempre com uma estrutura de pensamento que tende a quebra de paradigmas, Mestre Julio Camacho observou que na impossibilidade de praticar presencialmente, o foco deveria ser no que é chamado na Linhagem de Ving Tsun que representa de “Família Kung Fu“. Um grupo primordialmente heterogêneo, que tem seus integrantes organizados entre praticantes mais antigos e mais novos. Sua aposta parece ter sido certeira, pois poucos meses depois do fechamento do comércio não só no Brasil como também em território americano e em várias outras partes do planeta. Observou-se uma reorganização destas pessoas, com uma interação muito mais amadurecida, que proporcionou que novas lideranças surgissem naturalmente: “...Preparar soldados é rápido, preparar generais, leva mais tempo.. “- Teria dito o Mestre Senior certa vez.

It seems that it was yesterday that Master Julio Camacho embarked with his wife, Mrs. Marcia Moura Camacho, towards a new challenge in the USA: that of establishing Moy Yat Ving Tsun Martial Intelligence on American soil, and therefore, the Moy Jo Lei Ou Clan of Ving Tsun  of which he is the leader.
With the advent of the pandemic and always moving forward, it was up to the Senior Master to reinvent himself, so that his commitment to safeguard the Ving Tsun System for the next generations, could be maintained.
Always with a structure of thought that tends to break paradigms, Master Julio Camacho observed that in the impossibility of practicing in person, the focus should be on what is called in the Ving Tsun Lineage that he represents “Kung Fu Family”. A primarily heterogeneous group, whose members are organized between older and younger practitioners. His bet seems to have been certain, since a few months after the closing of stores, malls, etc... not only in Brazil but also in American territory and in several other parts of the planet. There was a reorganization of these people, with a much more mature interaction, which allowed new leaders to emerge naturally: “... Preparing soldiers is fast, preparing generals, takes more time…” - The Senior Master would have said once.
Residindo desde então nos EUA, onde vive com sua esposa. Mestre Julio Camacho foi convidado a participar do podcast “Bubbles“. Este podcast entrevista brasileiros que vivem nos EUA ou que estão de passagem pelo país, e que tem algo valioso a compartilhar através de uma conversa descontraída. 
Mestre Julio Camacho que também é psicólogo, entrará ao vivo via youtube, nesta Quinta-feira, para compartilhar um pouco de sua história de vida digna de um filme dirigido por algum diretor da velha guarda de Hollywood.

Para assistir, basta clicar AQUI. O link te levará direto para o Youtube. E se voce quiser acompanhar outras entrevistas do Bubbles, basta clicar AQUI e ir até seu Instagram.

Living in USA since January, where he lives with his wife. Master Julio Camacho was invited to participate in the “Bubbles“ podcast. This podcast interviews Brazilians who live in the USA or are spending some time or traveling in the country, and who have something valuable to share through a relaxed conversation.
Master Julio Camacho, who is also a psychologist, will go live via youtube, this Thursday, to share a bit of his life story worthy of a film directed by an old Hollywood director.

To watch, just click HERE. The link will take you directly to Youtube. And if you want to follow other Bubbles interviews, just click HERE and go to their Instagram.

[Mestre Julio Camacho e sua esposa apreciam o por do sol no sul da Florida]
[Master Julio Camacho and his wife, watching the sunset in South Florida]

A grande novidade, é a de que esta entrevista, é só a primeira de uma série que está por vir. Então, aqueles que acompanham este site e ao longo dos anos, e puderam apreciar relatos e artigos sobre o Mestre Julio Camacho. Vão pela primeira vez, assistir o Mestre Senior em primeira pessoa falando sobre Ving Tsun Kung Fu, Psicologia e sobre a vida... 
Qualquer nível de exposição sempre foi muito bem pensada por este profissional. Sua apresentação pessoal enquanto artista marcial, sempre primou pelo alinhamento e assertividade, tanto no pensamento quanto em sua fala. E foi por isso, que mesmo já sendo residente dos EUA desde Janeiro, somente agora ele começa a aparecer para este novo cenário de maneira mais objetiva. Se num primeiro momento era importante ter uma estrutura mínima para questões como moradia e locomoção, num segundo momento, foi necessário ao Mestre Senior, entender o país e sua cultura na perspectiva de um cidadão americano e não mais de um visitante. Então, somente após essa avaliação e validação de cenário, poderemos apreciar seus primeiros movimentos para o grande público...
Reserve em sua agenda o dia 10 de Novembro, pois teremos a nova entrevista de Mestre Julio Camacho. Desta vez, ao canal “Perguntas“- [LINK da entrevista AQUI]. Nela, ele vai falar como é viver como profissional de artes marciais no sul da Flórida. 
Vem coisa boa por aí! Sigamos juntos!

The big news is that this interview is only the first in a series to come. So, those who follow this site a over the years, have been able to appreciate testimonials and articles about Master Julio Camacho. For the first time, they will be able to watch the Senior Master in first person talking about Ving Tsun Kung Fu, Psychology and about life ...
Any level of exposure has always been very well thought out by this professional. His personal presentation as a martial artist, has always excelled for alignment and assertiveness, both in thought and in his speech. And that is why, even though he has been a resident of the USA since January, only now does he begin to appear for this new scenario in a more objective way. If at first it was important to have a minimum structure for issues such as housing and mobility, in a second moment, it was necessary for Master Senior to understand the country and its culture from the perspective of an American citizen and not more as a visitor. Then, only after this assessment and scenario validation, we will be able to appreciate his first movements for the general public ...
Book on your schedule the 10th of November, as we will have the new interview of Master Julio Camacho. This time, to the channel "Questions" - [LINK to interview HERE]. In it, he will talk about what it is like to live as a martial arts professional in South Florida.
Good thing comes around! Let's go together!

quarta-feira, 4 de novembro de 2020

VITOR SÁ E KEITH MARKUS: “ MY 'Baai Si' CEREMONY W/ MASTER THIAGO PEREIRA REVISITED“






 Introdução - Mestre Thiago Pereira
Texto - Vitor Sá e Keith Markus
Uma produção - Inside Ving Tsun


Introdução por Mestre Thiago Pereira:



Esse é um artigo especial, pois é a partir dele que vamos inaugurar um novo formato de texto, com os membros vitalícios da Família-Kung Fu da qual sou Líder. Aqui, eles poderão compartilhar suas experiências de “ Vida-Kung Fu“ . 
 O formato é inspirado na iniciativa de meu Mestre Julio Camacho de incentivar que seus discípulos produzissem registros de Vida-Kung Fu em páginas próprias. Além disso, o formato desta nova coluna, também bebe da fonte das publicações da MARVEL da “SAVAGE TALES“ e “SAVAGE SWORD OF CONAN“ dos anos 70 do meu personagem favorito:Conan, O barbaro. Apresentado a mim pelo Mestre Diego Guadelupe. Nestas publicações, Roy Thomas, que é considerado o maior escritor das aventuras do cimério de bronze nos quadrinhos. Apresentava as aventuras de cada edição através de uma introdução do que estava por vir. Nos anos seguintes, sendo seu nome sinônimo de Conan, O barbaro. Passou a escrever introduções de republicações destas mesmas aventuras.
Esse tipo de movimento para mim é bem especial, pois para aqueles que acompanham meus relatos nesta página desde 2007, quando estava prestes a me tornar formalmente um discípulo do Mestre Julio Camacho. Agora também poderão vez ou outra, acompanhar relatos de meus próprios discípulos. 
Neste primeiro artigo ,vamos acompanhar meu discípulo Vitor Sá através de uma aventura proposta por ele mesmo:Os Encontros Temáticos Remotos chamados de “Jornadas”, conduzidos por membros vitalícios da Família Moy Fat Lei, compartilhando experiências marcantes de Vida Kung Fu . Além disso, a sequencia do texto pelas mãos de Keith Markus. Outro dos meus discípulos, que vivenciou esse marcante momento junto de seu querido Si Hing.
Os ETR´S como costumamos chamar, são instrumentos que favorecem o contato entre os membros da Família Kung Fu, e que floresceram durante a quarentena. Neste ETR Vitor e Keith revisitam o ano de 2017 para falar sobre como foi a experiência do dia em que fizeram sua Cerimonia de Discipulado [BAAI SI].
Boa leitura!

Thiago Pereira - Inside Ving Tsun - Novembro de 2020

Introduction by Mestre Thiago Pereira:



This is a special article, as it is from there that we will inaugurate a new text format, with the special students of the Kung Fu Family of which I am Leader. Here, they will be able to share their “Kung Fu-life“ experiences.
 The format is inspired by my Master Julio Camacho's initiative to encourage his disciples to produce Life-Kung Fu records on their own pages. In addition, the format of this new column also draws from the source of MARVEL publications from “SAVAGE TALES“ and “SAVAGE SWORD OF CONAN“ from the 70's of my favorite character: “Conan, The barbarian“. Presented to me by Master Diego Guadelupe. In these publications, Roy Thomas, who is considered the greatest writer of the adventures of the bronze Cimmerian in comics. He presented the adventures of each edition through an introduction to what was to come. In the following years, his name being synonymous with “Conan, The barbarian“. He started to write introductions of republishings of these same adventures.
This type of movement for me is very special, because for those who have followed my reports on this page since 2007, when I was was about to formally become a disciple of Master Julio Camacho . Now you will also be able, at one time or another, to follow reports from my own disciples.
In this first article, we will accompany my disciple Vitor Sá through an adventure proposed by himself: "The Remote Thematic Encounters" called "Journeys", conducted by special students of the Moy Fat Lei Family, sharing remarkable experiences of Kung Fu Life. In addition, the text sequence by the hands of Keith Markus. Another of my disciples, who experienced this remarkable moment with his beloved Si Hing.
ETR´S as we usually call them, are instruments that favor the contact between the members of the Kung Fu Family, and that flourished during the quarantine. In this ETR Vitor and Keith revisit the year 2017 to talk about the experience of the day they did their Discipleship Ceremony [BAAI SI].
Good reading!

Thiago Pereira - Inside Ving Tsun - November 2020

 “Jornadas”
MINHA CERIMONIA DE BAAI SI
 C/ MESTRE THIAGO PEREIRA REVISITADA
parte 1

 Texto: Vitor Sá  Editorial: Mestre Thiago Pereira

“Journeys”:
MY BAAI SI CEREMONY
  WITH MASTER THIAGO PEREIRA REVISITED
part 1

  Text: Vitor Sá Editorial: Mestre Thiago Pereira




[Um dos slides apresentados por Vitor]
[One of the slides presented by Vitor]

Desde o primeiro momento em que se foi conversado sobre a ideia da série “Jornadas”, uma sequência final de três encontros remotos temáticos, eu me enxerguei apresentando um desses encontros. Quando Si Fu me deu a sugestão para esses encontros serem apresentados em duplas de discípulos, imediatamente pensei em formar uma dupla com meu irmão kung fu Keith Markus.
O tema central do encontro que apresentamos foi “O Primeiro Baai Si da Família Moy Fat Lei”, que ocorreu no ano de 2017 e eu, juntamente com meus irmãos kung fu Keith Markus e Jaqueline Tergolina, fui parte da ocasião me tornando o discípulo número dois de meu Si Fu.
A ideia inicial do encontro remoto temático era narrar, para quem estivesse presente no dia, a nossa experiência na produção da nossa cerimônia de Baai Si e destacar a importância da Família-Kung Fu na época, já que além da cerimônia de discipulado também foi celebrado o aniversário de nosso Si Fu (e a Família-Kung Fu foi fundamental no processo de organização). No entanto, para mim acabou sendo algo que foi muito além do que simplesmente narrar. Com ajuda de meu Si Fu, me foi possível fazer uma verdadeira viagem ao ano de 2017 e me lembrar de todas as coisas boas e todas as adversidades daquele ano.
Si Fu me deu uma sugestão que, sinceramente, mudou toda a apresentação, não para os que assistiram, mas para mim que apresentei: revisitar o ano de 2017 com um outro olhar, com outra perspectiva. Para mim, isso fez uma enorme diferença pois pessoalmente, 2017 foi um ano difícil e eu consegui revisitar este ano de uma forma mais romântica, percebendo quantas adversidades foram superadas e o quanto eu consegui me desenvolver desde então. Em situações como essa, eu sempre lembro de uma pergunta que Si Fu já me fez algumas vezes: “O que você aprendeu com isso?”.
Falando um pouco sobre a apresentação do encontro remoto temático, posso dizer que foi uma noite bastante especial. Eu e Keith ficamos online cerca de uma hora antes do início do encontro, alinhamos toda a apresentação e aguardamos o horário de início e a entrada dos membros que iriam assistir nossa apresentação. Além dos nossos irmãos-kung fu, também contamos com a presença de nosso Si Fu. Além da passagem dos slides com fotografias marcantes do evento de 2017, fiz questão de mostrar objetos importantes como o quadro com meu Nome-Kung Fu por exemplo. Tudo transcorreu facilmente (acabamos, inclusive, estourando um pouco o tempo previsto).
Foi muito especial poder contar com a interação dos Irmãos-Kung Fu que estiveram presentes assistindo a apresentação e termino este texto lembrando de uma colocação feita por Si Fu ao final da apresentação: Si Fu nos parabenizou e destacou que acreditava que nossa apresentação tivesse tocado de alguma forma as pessoas que estiveram presentes. Mas, acima de tudo, posso afirmar que revisitar 2017 (com um olhar renovado) tocou a mim, profundamente.

From the first moment when the idea of ​​the “Journeys” series was discussed, a final sequence of three remote thematic meetings, I found myself presenting one of these meetings. When Si Fu gave me the suggestion for these meetings to be presented in pairs of disciples, I immediately thought of forming a pair with my kung fu brother Keith Markus.
The central theme of the meeting we presented was “The First Baai Si of the Moy Fat Lei Family”, which took place in 2017 and I, together with my kung fu brothers Keith Markus and Jaqueline Tergolina, was part of the occasion becoming the number two disciple of my Si Fu.
The initial idea of ​​the thematic remote meeting was to narrate, for whoever was present on the day, our experience in producing our Baai Si ceremony and to highlight the importance of the Kung Fu Family at the time, since in addition to the discipleship ceremony it was also celebrated the birthday of our Si Fu . However, for me it ended up being something that went far beyond simply narrating. With the help of my Si Fu, I was able to make a real trip to the year 2017 and remember all the good things and all the adversities of that year.
Si Fu gave me a suggestion that, sincerely, changed the whole presentation, not for those who attended, but for me that I presented: revisiting the year 2017 with another look, with another perspective. For me, it made a huge difference because personally, 2017 was a difficult year and I managed to revisit this year in a more romantic way, realizing how many adversities have been overcome and how much I have managed to develop since then. In situations like this, I always remember a question that Si Fu has asked me a few times: “What did you learn from that?”.
Speaking a little about the presentation of the thematic remote meeting, I can say that it was a very special night. Keith and I went online about an hour before the start of the meeting, lined up the whole presentation and waited for the start time and the entrance of the members who would attend our presentation. In addition to our kung fu brothers, we also have the presence of our Si Fu. In addition to the slide show with striking photographs of the 2017 event, I made sure to show important objects like the painting with my name-Kung Fu for example. Everything went smoothly (we even ended up a little over the predicted time).
It was very special to be able to count on the interaction of the -Kung Fu brothers who were present watching the presentation and I end this text remembering a statement made by Si Fu at the end of the presentation: Si Fu congratulated us and pointed out that he believed that our presentation had touched somehow the people who were present. But, above all, I can say that revisiting 2017 (with a renewed look) touched me, deeply.

 “Jornadas”
MINHA CERIMONIA DE BAAI SI
 C/ MESTRE THIAGO PEREIRA REVISITADA
parte 2

 Texto: Keith Markus  Editorial: Mestre Thiago Pereira

“Journeys”:
MY BAAI SI CEREMONY
  WITH MASTER THIAGO PEREIRA REVISITED
part 2

  Text: Keith Markus Editorial: Mestre Thiago Pereira

[One of the slides presented by Keith Markus]
[One of the slides presented by Keith Markus]

Desde que fui convidado por meu Si Hing Vitor a revisitar o ano de 2017 e preparar uma apresentação em dupla, falando sobre o Baai Si, o aniversário do Si Fu e sobre os acontecimentos daquele ano em geral, senti certa nostalgia, e fiquei animado e pensativo.
O ano de 2016 tinha sido bem intenso para mim, e ao entrar em 2017 eu tinha uma sensação otimista sobre as coisas que estavam por vir. Eu tinhasido adimitido na Família Moy Fat Lei, e a ideia de um dia fazer o Baai Si e tornar-me discípulo, ter o nome na árvore genealógica do Ving Tsun não me saía da mente. Minha expectativa era de que o convite viesse até o ano de 2020, mas ocorreu em 2017 mesmo.
Em um dia normal, após uma prática de sábado, Si Fu me chamou em um canto do saudoso “andar P” do prédio de nosso primeiro Mo Gun.E me fez o convite. Lembro-me de praticamente interrompê-lo dizendo que queria e já estava me preparando. Saí dali com a sensação de um garoto que tira uma nota dez na escola, ainda sem saber em detalhes o que significava “Baai Si”.
A experiência de apresentar juntamente com meu Si Hing essas nuances sobre o ano de 2017 me trouxe uma perspectiva diferente sobre aquele ano tão intenso, com tantas transformações significativas em minha vida. Pude recordar (passar mais uma vez pelo coração, conforme acredito ter aprendido com Si Fu) o processo de dúvida, aprendizado, medo, energia para frente para fazer as coisas acontecerem, e enfim, o alívio e a felicidade de ter chegado inteiro ao final do processo.
Porém, ao reviver tudo isso, só agora pude perceber de fato a importância das pessoas que estavam comigo e com quem eu também estava, Si Hing, Si Je, os Si Suk, e principalmente, Si Fu, com quem compartilhei algumas dificuldades minhas, e em quem me apoiei para me “deixar portar” pelo processo. 
Foi gratificante para mim rever o quanto a Família-Kung Fu contribuiu para o evento de forma muito sutil, porém eficaz no resultado. 
Para mim, a apresentação ocorreu de forma agradavelmente relaxada, bem diferente do que às vezes acontece com minhas apresentações, nas quais tenho a tendência a conduzir de forma excessivamente séria, quase solene.
Si Hing Vitor e eu entramos online cerca com cerca de uma hora de antecedência, revimos os slides, alinhamos lembranças, rimos um pouco também. Essa sintonia, que aprendemos com Si Fu através do conceito de pré-evento, foi fundamental para o fluxo da apresentação. 
Para finalizar, digo que minha convivência na Família Moy Fat Lei, com Si Fu e meus irmãos-Kung Fu me trouxe grande possibilidade de desenvolvimento humano, em cultivar aquela energia que nos impele a seguir em frente, a pensar no próximo ciclo, e a ter frieza para entender que a história se faz no presente.


Since I was invited by my Si Hing Vitor to revisit the year 2017 and prepare a double presentation, talking about Baai Si, Si Fu's birthday and the events of that year in general, I felt a certain nostalgia, and I was excited and thoughtful.
The year 2016 had been very intense for me, and when I entered 2017 I had an optimistic feeling about the things to come. I had been admitted to the Moy Fat Lei Family, and the idea of ​​one day making the Baai Si and becoming a disciple, having the name on the Ving Tsun family tree did not leave my mind. My expectation was that the invitation would come by 2020, but it occurred in 2017.
On a normal day, after a Saturday practice, Si Fu called me in a corner of the nostalgic “floor P” of the building of our first Mo Gun. I remember practically interrupting him saying I wanted to and I was already getting ready. I left there with the feeling of a boy who gets a A in school, still not knowing in detail what “Baai Si” meant.
The experience of presenting these nuances about the year 2017 with my Si Hing brought me a different perspective on that year so intense, with so many significant transformations in my life. I was able to recall (going through the heart again, as I believe I learned from Si Fu) the process of doubt, learning, fear, energy forward to make things happen, and finally, the relief and happiness of having come to the end in one piece of the process.
However, in reliving all of this, only now I really realized the importance of the people who were with me and with whom I was also, Si Hing, Si Je, the Si Suk, and mainly, Si Fu, with whom I shared some of my difficulties, and who I leaned on to “let myself be carried” through the process.
It was gratifying for me to see how much the Kung Fu Family contributed to the event in a very subtle but effective way.
For me, the presentation took place in a pleasantly relaxed way, very different from what sometimes happens with my presentations, in which I tend to conduct in an excessively serious, almost solemn way.
Si Hing Vitor and I went online about an hour in advance, reviewed the slides, lined up memories, laughed a little too. This harmony, which we learned from Si Fu through the pre-event concept, was fundamental to the flow of the presentation.
Finally, I say that my relationship with the Moy Fat Lei Family, with Si Fu and my Kung Fu brothers, brought me a great possibility of human development, in cultivating that energy that impels us to move forward, to think about the next cycle, and to be cool to understand that history is made in the present.

PRÓXIMO ARTIGO DOS MEMBROS 
VITALÍCIOS DA FAMÍLIA MOY FAT LEI:

NEXT ARTICLE BY THE
SPECIAL STUDENTS OF MOY FAT LEI FAMILY:




Duas histórias e uma coisa em comum: Experiencias significativas em situações do cotidiano! 
Acompanhe o texto do membro vitalício Wellington Souza, sobre seu aprendizado ao tentar mobilizar seu Si Fu a andar de moto. E no divertido texto de Caroline Archanjo. Ela compartilha sobre quando seu Si Fu ensinou-lhe a dançar músicas dos anos 80.

Two stories and one thing in common: Significant experiences in everyday situations!
Follow the text by the special student Wellington Souza, about his learning while trying to mobilize his Si Fu to ride a motorcycle. And in the amusing text by Caroline Archanjo. She shares about when her Si Fu taught her to dance to 80's music.