Apoie o Blog!

terça-feira, 30 de julho de 2019

BEING A SI FU WITH EIGHT DISCIPLES. (Sendo Si Fu com 8 discípulos)

(Registro com Si Fu e meus três primeiros discípulos)
(Photo with Si Fu and my first three disciples)

A Família Moy Fat Lei abriu em Março de 2016, mas tomamos por seu início de fato, o dia 09 de Abril do mesmo ano, quando ocorreu o I Ato Cerimonial desta Família, nas dependências do edifício de meu irmão Kung Fu Rodrigo Moreira.
Pouco mais de um ano depois, em 04 de Novembro de 2017, foi realizada a I Cerimônia de Disicpulado (Baai Si).
Sobre o "Baai Si", meu Si Gung Leo Imamura escreveu: "Para Patriarca Moy Yat, a cerimônia de discipulado é um caminho de duas vias. Ela não é só definida pela vontade de uma pessoa se tornar um discípulo de um si fu, mas principalmente pelo desejo deste em fazer daquele o seu dai ji. 
 Por isso, ambas as partes têm muita responsabilidade para honrar os ancestrais. A parte do si fu é a mais difícil, pois ele precisa saber como levar um dai ji a desenvolver seu kung fu, através de ações apropriadas para cada momento"

The Moy Fat Lei Family opened in March 2016, but we took for its actual beginning, on April 9 of that same year, when the First Ceremonial Act of this Family took place, in the building of my Kung Fu Brother Rodrigo Moreira.
Just over a year later, on November 4, 2017, the 1st Discipleship Ceremony (Baai Si) was held.
On "Baai Si," Si Gung wrote: "For Patriarch Moy Yat, the discipleship ceremony is a two-way path. It is not only defined by a person's desire to become a disciple of a Si Fu, but mainly by the the desire of him to make this person his disciple.

So both parties have a lot of responsibility to honor the ancestors. The part of the si fu is the most difficult because he needs to know how to lead the disciple to develop his kung fu through appropriate actions for each moment "
(Com Si Fu e Si Hing no momento de nossa titulação)
(With Si Fu and Si Hing at the very moment of our Master´s Degree Qualification)

Deste texto de Si Gung, me toca muito o trecho: "...A parte do si fu é a mais difícil, pois ele precisa saber como levar um dai ji a desenvolver seu kung fu..." - Digo isso, pois sei que meu Si Fu não estava brincando quando me fez esse convite em 2007, operando um verdadeiro milagre com meu desenvolvimento pessoal. Diria ele rindo comentando certa vez sobre o trabalho que dei no início:"...Olha, se existe céu, eu vou pra lá quando morrer, viu?.."
Quando senti que o convite deveria ser realizado, sabia que não poderia me doar menos do que Si Fu o fez e faz por mim.
Sentado diante dele em 29 de Agosto de 2015(foto) no momento da minha titulação junto ao meu Si hing, sentia de alguma forma, um caminho traçado que eu só deveria seguir dali em diante. Se eu estava nervoso? Sim, estava. Afinal, certa vez disse para Si Fu que preferia fazer as coisas sozinho:"Eu não sou uma pessoa de grupo.Prefiro fazer as coisas sozinho." -  Comentei. E ele respondeu: "Se você não é uma 'pessoa de grupo', você nunca poderá ser um Si Fu."

From this text of Si Gung, I am very touched by the excerpt: "... The part of the si fu is the most difficult, because he needs to know how to take the disciple to develop his kung fu ..." - I say this, because I know that my Si Fu was not joking when he made this invitation to me in 2007, operating a real miracle with my personal development. He would say laughing once commenting on the work I gave at the beginning to him: "... Look, if there is a heaven, I will go there when I die, you see?"
When I felt that the invitation should be realized, I knew that I could not give myself less than Si Fu did and does for me.
Sitting before him on August 29, 2015 (photo) at the time of my Master´s Degree Qualification with my Si hing, I felt somehow, a path traced that I should only follow from there on. If I was nervous? Yes, I was. After all, I once said to Si Fu that I preferred to do things by mymelf: "I'm not a group person." - I said to him. And he replied, "If you are not a 'group person', you can never be a Si Fu."
Quando entreguei os primeiros "Nomes Kung Fu" de minha Família Kung Fu(FOTO), senti um peso diferente. Lembro de quando estava ansioso para descobrir o meu, e do quão incrível achava o raciocínio de Si Fu ao estudar cada um dos nomes da Família Moy Jo Lei Ou. Mas quando é você a entregar, muda tudo completamente!

When I gave the first "Kung Fu Names" of my Kung Fu Family (PHOTO), I felt a different weight. I remember when I was anxious to discover mine, and how incredible was Si Fu's reasoning in studying each of the names of the Moy Jo Lei Ou Family. But when you are the own to choose and give it, it changes everything completely!
(Preparando os primeiros "Nomes Kung Fu" de minha Família com Si Fu)
(Preparing the first "Kung Fu Names" of my Family with Si Fu)

Si Fu certa vez me perguntou qual nome eu daria para um futuro filho. Sem pensar muito respondi: "Daniel". Si Fu perguntou a razão e eu disse que era em função do personagem principal de "Karate Kid" de 1984. Ele pediu que eu pensasse a respeito de que eu daria um nome a uma criança, com referência a um filme de 30 anos atrás.- "Você tem noção que esse nome não vai representar nada disso pra geração do seu filho?" - Eu ri. Ele então comentou sobre um processo chamado em Psicologia de "Nome do pai". Que seria algo correspondente ao fato de que quando um pai dá um nome a seu filho, geralmente está carregado da expectativa do próprio pai em relação à criança.

Si Fu once asked me what name I would give to a future child. Without thinking much, I answered, "Daniel." Si Fu asked the reason and I said it was because of the main character of "Karate Kid" movie from 1984. He asked me to think about what I would name a child, referring to a film from more than 30 years ago. "Do you realize that this name will not represent any of this for your child's generation?" - I laughed. He then commented on a process called in "Father's Name" from Psychology. That would be something corresponding to the fact that when a father gives a name to his son, he is usually loaded with the expectation of his own father in relation to the child.
(Ensaio para as transmissões ao vivo em 2017 com os 3 primeiros discipulos)
(rehearsal for live broadcasts in 2017 with the first 3 disciples)

Si Fu costuma falar que devemos tomar cuidado com a assinatura que imprimimos e a mensagem que ela passa para os demais. Mesmo quando não estamos transmitindo nada conscientemente, estamos enviando informações. - "E isso acaba vazando pra pessoa".- Ele diz. Mas não são apenas coisas não legais que "Vazam", são as coisas bacanas também! E acho que no caso dos membros vitalícios oriundos daquela primeira Cerimônia, o aspecto mais marcante para mim naquele período foi o de lealdade.
Sobre isso, Si Gung escreveu certa vez: "...Patriarca Moy Yat dizia que 'um bom dai ji deve antes de tudo respeitar seu si fu, cuidar dele e aprender bem a arte. Assim, ele poderá ajudá-lo a desenvolver o sistema e fazer com que a família prospere'...".

Si Fu often says that we must be careful about the signature we print and the message it gives to others. Even when we are not consciously transmitting anything, we are sending information. - "And that ends up coming out of the person" .- He says. But it's not just bad things that "comes out", it's cool things too! And I think that in the case of the lifetime members from that first Ceremony, the most striking aspect for me at that time was loyalty.

Of this, Si Gung once wrote: "... Patriarch Moy Yat said that 'a good dai ji must first of all respect his si fu, take care of him and learn the art well. Thus he can help him develop the system and make the family prosper '... ".
(Dedicatória de Si Fu para mim)
(Si Fu Dedication for me)

 A dedicação de Si Fu ao meu desenvolvimento pessoal foi imparável,pois mesmo em momentos em que eu mesmo não estava disposto a seguir adiante, ele me puxava junto dele. Esse é seu apoio, quase sempre, incondicional.

 Si Fu's dedication to my personal development was unstoppable, for even at times when I myself was unwilling to move on, he would pull me with him. This is his almost always unconditional support.
(Cayo Cesar e Jaqueline Tergolina)
(The disciples Cayo and Jaqueline)

Então, aprendi essa dedicação com Si Fu. No momento em que ficamos sem Mo Gun em 2018, de fato me foi possível diminuir a velocidade. Passava por um momento muito desafiador, e ali foi possível tomar ar, apenas para mergulhar novamente. E foi bem naquele período, enquanto praticávamos na residência da já discípula Jaqueline Tergolina, que novas lideranças começaram a brotar e futuros discípulos também.

So I learned this dedication from Si Fu. By the time we ran out of Mo Gun in 2018, it was actually possible for me to get some air. It was a very challenging time, and there it was possible to take a breath just to dive again. And it was at that time, while we were practicing at the home of already disciple Jaqueline Tergolina, that new leaders began to spring up and future disciples as well.
(Os discípulos Luiz e Caroline)
(The disciples Luiz and Caroline)

Percebi em pouco tempo, a grande diferença entre ser o "Daai Si hing" de um Mo Gun, para ser o Líder de Família daquele local. Me via como o "Daai Si hing" do Méier, como alguém "esforçado" que as pessoas apoiavam e compravam os desafios juntos, em função desse apoio. Já como Si Fu, é completamente diferente: É uma relação distinta em todos os aspectos, de qualquer uma presente em nossa sociedade. Talvez, aproxime-se apenas a de pai e filho.

I soon realized the big difference between being a Mo Gun's "Daai Si hing" and being the Family Leader of that place. I saw myself as Meier's "Daai Si hing", as someone "hardworking" that people supported and bought challenges together for that support. As a Si Fu, it is completely different: It is a distinctive relationship in every respect from anyone present in our society. Perhaps it comes only to that of father and son.
(Com os discípulos Keith e Filipe em um dos shows deste último)
(With the disciples Keith and Filipe in one of the Filipe's rock concerts)

Comecei a perceber um sentimento muito especial das pessoas ao meu redor. Estes que chamamos de "To Dai", que eu certamente não teria um contexto para me relacionar fora do Círculo Marcial.
Aos poucos, entendia a determinação sem limites de Si Fu. Você simplesmente se vê entre o compromisso assumido por você com seu Si Fu e seu dever de honrar, a confiança que seus discípulos depositam em você.

 I began to notice around me a very special feeling from the people around me. These we call "To Dai", which I certainly would not have a context to relate to outside the Martial Circle.
Gradually, I understood the boundless determination of Si Fu. You simply find yourself between your commitment to your Si Fu and your duty to honor, the trust your disciples place in you.
Então houve uma segunda Cerimônia de Discipulado em minha Família(FOTO), na qual quatro pessoas formalizaram sua condição, somando um total de sete membros vitalícios.

Then there was a second Discipleship Ceremony in My Family (PHOTO), in which four people formalized their status, totaling seven lifetime members.
Por fim, meio ano depois, foi a vez de Matheus Alves(foto) se tornar o oitavo membro vitalício da Família Moy Fat Lei. E de fato, é um grupo muito especial! Eu teria feito todos esses convites novamente.
Sobre esse processo de aceitar discípulos, Si Gung escreveu: "...Por outro lado, um bom si fu não deve apenas aceitar discípulos e aproveitar sua vida de mestre e esperar que seja cuidado. 
 Ele deve se comportar como o melhor si fu que possa ser para o seu dai ji. Um bom si fu deve se dedicar ao máximo, para aprender sempre mais e seu prover seu dai ji uma rica experiência em cada etapa da sua jornada..."

Finally, half a year later, it was Matheus Alves' turn (photo above ) to become the eighth lifetime member of the Moy Fat Lei Family. And indeed, it's a very special group! I would have made all these invitations again.
About this process of accepting disciples, Si Gung wrote: "... On the other hand, a good si fu should not only accept disciples and enjoy his master's life and expect care to be taken.

He should behave as best si fu as he can for his dai ji. A good si fu must strive to learn more and to provide his dai ji with a rich experience at every stage of his journey ... "
(Momento em que recebi o Jiu Paai de minha Família e a autorização para iniciá-la)
(Moment when I received the Jiu Paai of my Family and the authorization to start it)

Por muitas vezes, meu maior desafio como discípulo, foi o de confiar. Hoje, como Si Fu, talvez seja me fazer digno de confiança. E é muito interessante pensar no quanto diariamente se torna necessário lidar com minhas limitações, com meus medos, e todo o resto. Não necessariamente por mim, mas porque as pessoas que decidiram realizar essa cerimônia e todas as outras do porvir. Não podem ser vítimas de minhas limitações pessoais. 
Mas foi também com Si Fu, que aprendi que a vocação de alguém, é muito maior do que qualquer medo. E assim, vamos seguindo.

Often my biggest challenge as a disciple was to trust. Today, like Si Fu, it might be making me trustworthy. And it's very interesting to think about how daily it becomes necessary to deal with my limitations, my fears, and all the rest. Not necessarily for me, but because the people who decided to perform this ceremony and all the others to come. They cannot be victims of my personal limitations.
But it was also from Si Fu that I learned that one's vocation is far greater than any fear. And so, let's go.


The Disciple of Master Julio Camacho
Thiago Pereira "Moy Fat Lei"
moyfatlei.myvt@Gmail.com