PRATIQUE NO RIO: 21 99636988

sexta-feira, 31 de março de 2017

Si Gung's epic speech (Birthday Celebration 2017)

(Si Gung com sua Família no momento de seu discurso de aniverário)
(Si Gung and his family during his speech)

Estivemos no último dia 18 de Março em São Paulo , para a celebração do aniversário de Grão-mestre Leo Imamura, meu Si Gung.  Seu aniversário sempre foi uma data que serviu , dentre tantas coisas, para reunir à sua volta figuras de várias épocas. Porém , nessa celebração que ocorreu no Restaurante China Garden no bairro da Aclimação.  A organização, liderada mais uma vez pela Si Suk Ming Abreu,  fez algo incrível: Conseguir trazer praticantes desde os anos 80, até parentes do próprio Si Gung que tiveram papel fundamental em sua história para que chegasse onde chegou.
Cada Família Kung Fu ou praticante que se dirigiu para aquela noite de festa, viveram seus próprios processos pelo caminho até o China Garden. E assim também aconteceu com a delegação do Clã Moy Jo Lei Ou composta por: Si Fu, eu, minha esposa Vanessa , Claudio Teixeira, André Almeida e Iuri Alvarenga.
Eu poderia falar muita coisa a respeito desses momentos com meu Si Fu e a minha Família Kung Fu como sempre faço mas desta vez,  deixarei que esses momentos apareçam como fragmentos em postagens vindouras para que eu possa focar no momento mais emblemático desta viagem para mim: O discurso de Si Taai e do Si Gung. 

Como geralmente é feito, pessoas de representatividade no Grande Clã Moy Yat Sang , pegam o microfone e falam algumas palavras sobre o aniversariante , e desta vez não tinha sido diferente. Porém, quando Si Taai Vanise Imamura começou a falar, dentre o que me lembro de ter escutado, ela comentou sobre a admiração que sente pela energia de Si Gung que se mantém por 25 anos todos os dias: “...As vezes ele aparece animado e diz: Pensei em algo novo para o Programa!” – Disse Si Taai.  Ouvindo aquilo, me fez refletir um pouco sobre como levo a vida as vezes. Si Fu costuma chamar a minha atenção ao meu excesso de precaução que as vezes acaba por se tornar um olhar pessimista a respeito da vida. O que para mim é sempre um choque me ver como alguém pessimista.
Na sequência, Si Gung pegou o microfone, não lembro bem do que ele falou por inteiro, porque apenas duas partes me tocaram mais profundamente: A primeira, foi quando ele falou sobre seus filhos e no meio disso comentou: “...Outro dia estava conversando com meus filhos e percebi que eu não tenho amigos de infância...” -  Si Gung riu de sua própria fala, e o salão o acompanhou, menos eu. Refleti mais uma vez sobre minha própria vida: “Cara, onde estão meus amigos de infância também?” – Pensei.  Na verdade, pensei sobre a última vez em que estive tranquilo com um amigo de infância sem hora marcada, sem correria... Não consegui lembrar. 

Entendo das falas de meu Si Fu algo como: “ A Vida Kung Fu está dentro da vida”.  – Para se viver a “Vida Kung Fu” do jeito que vivemos, é importante estar dentro do “Mo Lam”. O “Mo Lam” , a “Floresta Marcial” , ou segundo a tradução das legendas da NETFLIX em “O Tigre e o Dragão 2” : “Mundo Marcial”. Este “Mo Lam” é uma sociedade imanente da própria sociedade, com suas próprias regras.  Por vezes me percebi imerso demasiadamente no “Mo Lam”. Si Fu falaria em algumas oportunidades sobre a necessidade de um ”Si Fu” ter uma vida rica para que se possa proporcionar diferentes tipos de experiência para um To Dai. 
Estava pensando em tudo isso, quando fui trazido de volta pela fala seguinte do Si Gung: “... Mas eu fiz grandes amigos dentro das artes marciais.”  - Eu nesse momento me senti feliz, pois me identifiquei com isso.  Pois mais do que amigos, encontrei verdadeiros irmãos.

Porém, em algum momento de seu discurso, Si Gung falou a segunda coisa mais emblemática para mim em toda aquela viagem: Um comentário sobre a fala da Si Taai:  “ Nem sempre eu acordo desse jeito que ela falou, porque da mesma forma, são 25 anos começando do zero todo mês. Todo o mês é necessário começar do zero, e como vocês sabem, eu tenho dois filhos, uma esposa, uma família para cuidar...” 
Sabe, eu acompanho meu Si Fu por 18 anos, e por uma grande parte desse período acompanhei altos e baixos de seus Mo Gun. Da mesma forma, presenciei sua tranquilidade para lidar com essas adversidades, com esses constantes "sobe e desce" de quem é profissional de artes marciais. 
Certa vez, subindo a pé a rua Venceslau com Si Gung após uma visita sua ao Méier, ao me ouvir falar que as coisas não iam bem teria dito: "...A habilidade do Mestre está em antever essas mudanças de ciclo para não ser pego de surpresa..." - Si Gung citou "Os quatro canônes do Imperador Amarelo" para que eu pudesse entender melhor esse conceito. Já em outra oportunidade, em meu aniversário de 2016, Si Fu disse para Si Suk Ursula: "... As vezes o Thiago comenta: 'Si Fu, estava lembrando outro dia de um momento em que o Mo Gun estava mal(financeiramente)... Eu me pergunto.." - Disse ele rindo para Si Suk Ursula - "... Quando não esteve?... " - Ele refletiu e concluiu em tom mais sóbrio: "... Talvez essa característica já seja parte do próprio negócio..."
André Almeida, Diretor do Núcleo Barra da Tijuca da Gestão Integrada do Clã Moy Jo Lei Ou, certa vez sentado a minha frente me disse algo como: "Si Hing, eu nunca vou abrir um Mo Gun sem ter um outro trabalho." - André me ajudava na administração do Méier na parte financeira. Procurei acalmá-lo. Vivíamos nosso momento mais difícil, e não queria que ele entendesse aquele momento em nossa história, como uma constante. 
Sentado ali, tendo ouvido aquilo de Si Gung, mesmo tendo passado por essas e muitas outras histórias sobre o dia-a-dia da administração de um Mo Gun. Ainda assim me tocou profundamente. Si Gung , assim como Si Fu, nunca deixou vazar nenhuma frustração ou desequilíbrio em momentos adversos. Ouvir de alguém , que está na extremidade oposta de sua carreira , algo tão comum a você , de forma tão franca, é algo que pode emocionar.
Em 2002 , escrevi uma carta para Si Fu em uma folha de caderno que terminava com a frase: "Obrigado por me deixar viver nesse mundo de espíritos indomáveis" . - Me lembrei dessa linha naquele momento. Hoje, me sinto feliz , por ser capaz de viver de verdade no Mo Lam. Pois, ainda que saiba que essa floresta marcial é muito mais profunda do que já adentrei. Já me vejo como parte do grupo das pessoas que conseguem recomeçar do zero... Todos os meses, todas as semanas, todos os dias, em todos os momentos... E isso meu amigo... Não tem preço.

We were on the 18th of March in São Paulo, for a celebration of the birthday of Grand Master Leo Imamura, my Si Gung. His birthday was always a moment that served, among many things, to gather around him figures from various eras. However, in this celebration that took place in the  China Garden Restaurant in the neighborhood of Aclimação (read as "Aclimasaum"). An organization, once again led by Si Suk Ming Abreu did something incredible: To bring in practitioners since the 80s, to Si Gung's own relatives who played a key role in his story to get where he arrived.
Each Kung Fu Family or practitioner who went to that party night, lived their own processes on their way to the restaurant. And so it also happened with a delegation of Clan Moy Jo Lei Ou composed by: Si Fu, me, my wife Vanessa, Claudio Teixeira, André Almeida and Iuri Alvarenga.
I could say a lot about great things that hapnned . But I will let it for a next day ... Today I wanto to say about just one single moment....

As it isusually done,Grand Clan Moy Yat Sang's remarkable people pick up the microphone and say a few words about Si Gung, and this time it had been no different. But when  Si Taai Vanise Imamura began to speak, from what I remember hearing, she commented on her admiration for the energy of Si Gung that has been going on for 25 years every day: .She  said she usually say things like:" I thought of something new for the program! "-  Hearing that, made me reflect a little on how I lead my own life . Si Fu usually draws my attention to my over precaution that as time turns out to become a pessimistic look to life. Which for me is always a shock to see me as someone pessimistic.
Then Si Gung picked up the microphone, I can not remember what he said entirelly, because only two parts touched me more deeply: The first, when he talked about his children and in the middle of it commented: "... Another day I was talking With my children and I realized that I do not have childhood friends ... "- Si Gung laughed at his own speech, and the present people accompanied him, except me. I was again thinking about my own life: "Dude, where are my childhood friends too?" - I thought. In fact, I thought about one last time I was relaxed with a childhood friend without an appointment, not running ... I could not remember.

I understand the words from my Si Fu as: "A Kung Fu Life is within the life". - To live the "Kung Fu Life", it is important to be inside the "Mo Lam". The "Mo Lam", a "Martial Forest". This "Mo Lam" is an immanent society inside the general society. With its own rules. Sometimes I found myself immersed too much in "Mo Lam". Si Fu talked to me in some opportunities about a need for a "Si Fu" to have a rich life so that he can provide different kinds of experience for his To Dai.
I was thinking about all this, when I was brought back to the following message from Si Gung: "... But I made great friends within the martial arts." - I felt myself  happy in hearing that , because I identified with it. For more than friends, I found true brothers.

But at some point in his speech, "You can not say that was always exciting to me in during all those 25 years. Im always starting from zero every month.Every month you need to start from zero, and as you know, I have Two kids, a wife, a family to take care of ... "
You know, I've been following my Si Fu for 18 years, and for a large part of this period I've followed ups and downs of his Mo Gun. In the same way, I witnessed his tranquility to deal with the adversities, with the constant "ups and downs" of who is professional of martial arts.
Once, walking up the a street with Si Gung after a visit of his to Meier School, he said to me: "... The ability of the Master is in anticipating changes of the cycles to not be caught by surprise ... "- Si Gung after that , quoted" The Four Cannons of the Yellow Emperor "so that I could better understand this concept. On another occasion, on my birthday in 2016, Si Fu said to Si Suk Ursula:" ... Sometimes Thiago comments: 'Si Fu, I was remembering another day when the Mo Gun was bad (financially ) ...'  I wonder ... "- Said Si Fu laughing with Si Suk Ursula -" ... when was the time Mo Gun was not ... "- He reflected and concluded in a more sober tone:" maybe it is the nature of this business ... "
André Almeida, Director of the Barra da Tijuca School from the  Integrated Management of the Clan Moy Jo Lei Ou, once sitting in front of me said something like: "Si Hing, I'll never open a Mo Gun without having another job." - André used to help me in Méier School's administration on the financial area. I tried to calm him down. We were living our most difficult moment, and did not want him to understand  a single moment in our history as a constant.
Sitting there, having heard from Si Gung, even though I had gone through these and many other stories about the day-to-day running of a Mo Gun administration. Yet it touched me deeply. Si Gung, like Si Fu, never shown any frustration or imbalance in adverse moments. Listening to someone, who is at the opposite end of the journey, something so common to you, so frankly, is something that can thrill.
In 2002, I wrote a letter to Si Fu on a notebook paper that ended with the phrase: "Thank you for letting me live in this world of untamed spirits." . I remembered that line at that moment. Today, I am happy to be able to live in Mo Lam for real. Well, even though I know that this martial forest is much deeper than I have already entered. I already see myself as part of the group of people who can start over from zero ... Every month, every week, every day, at all times ... And that my friend ... It´s Priceless.


The Disciple of Master Julio Camacho 
Thiago Pereira "Moy Fat Lei"
moyfatlei.myvt@gmail.com